AMP e entidades médicas organizam programa de voluntariado no enfrentamento ao Covid-19

A Associação Médica do Paraná dará início em 24 de março, à elaboração de um cadastro de residentes e acadêmicos do internato dos cursos de medicina que desejem atuar como voluntários, caso necessário, no enfrentamento ao coronavírus no Estado. Além dos residentes e estudantes, também podem participar do programa de voluntariado médicos das diversas especialidades que não estejam em atuação no momento. O objetivo é que colaborem como clínicos nas unidades de saúde. No caso dos residentes e estudantes, os atendimentos contarão com a orientação de um profissional supervisor.

A ação, que atende solicitação da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), conta com o apoio do Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR), Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde no Estado do Paraná (Fehospar), Federação das Santas Casas de Misericórdias e Hospitais Beneficentes do Estado do Paraná (Femipa) e Sociedade Brasileira de Infectologia, entre outras entidades médicas. No domingo de 22 de março, os dirigentes das instituições estiveram reunidos com o secretário da pasta, Beto Preto, quando foram definidas essa e outras iniciativas. Representando a AMP, participou o presidente, Dr. Nerlan Carvalho.

Os dados necessários são: nome, telefone, e-mail e endereço.
Essas informações, que serão organizadas pela AMP, devem ser encaminhadas ao seguinte e-mail: secretaria@amp.org.br

“Trata-se de um cadastro de reserva, cujos inscritos serão acionados se houver necessidade. Como entidades médicas, estamos atentos aos acontecimentos, prestando as devidas informações aos profissionais e à sociedade e colaborando nas estratégias de combate à pandemia”, afirma o presidente da AMP.

Em portaria publicada na última sexta-feira (20), o Ministério da Educação já autorizou que os alunos regularmente matriculados nos dois últimos anos do curso de medicina realizem, em caráter excepcional, o estágio curricular obrigatório em unidades básicas de saúde, unidades de ponto atendimento, rede hospitalar e comunidades a serem especificadas pelo Ministério da Saúde, enquanto durar a situação de emergência de saúde pública decorrente do COVID-19.

Fonte: Assessoria AMP

Share on whatsapp
Compartilhe