Como manter a produtividade nos estudos durante a quarentena?

O artigo da acadêmica de medicina Letícia Pinholato vale também para quem teve que se adequar aos ambientes virtuais, criar ritmo e estabelecer novas rotinas para o trabalho, pesquisas, estudos ou reuniões em casa. Estudante do 4º ano da PUC Londrina, Letícia também é a presidente representante da instituição na Comissão Acadêmica da AML.

“Desde março, quando as atividades acadêmicas foram transferidas indefinidamente para o ambiente virtual, muita coisa mudou na rotina dos estudantes de medicina. Para manter o ritmo de estudos, realizei o curso de produtividade da Fundação Estudar, que me ajudou a mapear meus horários de produtividade, dividir meu tempo entre os estudos e momentos de lazer, além de aprender a reconhecer gatilhos que atrapalham os meus objetivos.
Minha primeira dica é que você estabeleça sua rotina, com horário para dormir e acordar, mesmo nos finais de semana. No começo pode ser difícil, mas o benefício de tornar isso um hábito é que seu corpo vai responder como um verdadeiro relógio, poupando a briga eterna com o despertador.
Na hora de estudar, o que me ajudou foi encontrar outro ambiente dentro de casa que não fosse o meu quarto. Ficar em um lugar arejado, com luz natural e que possa ser associado ao meu momento de concentração faz minhas horas de estudo renderem muito mais. Identificar seu pico de produtividade também é um fator que contribui com o rendimento ao decorrer do dia. Eu sei que sou mais produtiva pela manhã e meu horário de menos concentração é as 17h, portanto, ao elaborar meu cronograma, acordo cedo e já faço as principais tarefas do dia. Ao fim da tarde, costumo aproveitar os momentos de menor rendimento para fazer atividades que exijam menos esforço.

Focar em outros projetos além da medicina é essencial, pois como disse o médico português Abel Salazar: “o médico que apenas sabe medicina, nem medicina sabe”. Diversos cursos online estão disponíveis gratuitamente na quarentena, sobre os mais diferentes assuntos. Um exemplo é a Fundação Bradesco, que conta com cursos na área de administração, contabilidade e finanças, desenvolvimento pessoal e profissional, e informática. Tudo ao alcance de um clique.

Nós, acadêmicos, de uma maneira geral, temos a tendência de cobrarmo-nos muito para atingir as demandas que o curso nos impõe. Porém, parte da produtividade – e, principalmente, da nossa saúde mental – envolve reconhecer os momentos que não estamos bem e respeitá-los. É importante saber diferenciar esses momentos da preguiça cotidiana, pois, sem disciplina não há produtividade.

Mais do que nunca, somos chamados a assumir a responsabilidade pelo nosso futuro. Não há professores em sala de aula cobrando pontualidade e comprometimento. Não há a presença dos amigos de turma, incentivando-nos e dividindo o fardo da rotina que levamos. Na maioria dos dias, somos nós e o computador, sozinhos.

Mas há também a família, que a muito tempo não contava com nossa presença em casa devido a extensa carga horária do curso. Há a certeza de que a cada dia, estamos mais perto do nosso sonho de sermos médicos. E, mesmo não podendo atuar na linha de frente, podemos nos esforçar em sermos melhores, por cada paciente que, em um futuro próximo, irá confiar sua vida a cada um de nós. E, talvez, o grande segredo da produtividade seja exatamente esse: encontrar o que te motiva e o que te faz buscar ser melhor, todos os dias.”

 

Share on whatsapp
Compartilhe