Brasil tem primeira morte por Covid-19; Paraná com 12 casos confirmados, sendo 1 de Londrina

Brasil teve a primeira morte pelo novo coronavírus nesta terça-feira (17) em São Paulo, cidade classificada como município já com transmissão comunitária, e na mesma condição atual da cidade do Rio de Janeiro. A vítima é um homem de 62 anos, hipertenso e diabético, sem histórico de viagem ao exterior e que estava internado desde o dia 14 em hospital particular da capital paulista.
Em coletiva de imprensa na tarde desta terça (17/03) o ministro da Saúde pontuou o número de casos confirmados pelo MS no país até àquele momento: 291. Mas à noite (até as 21h30), as secretarias estaduais de saúde divulgaram como sendo 349 o número de casos confirmados de novo coronavírus  em 17 estados e no Distrito Federal.

NO PARANÁ – Também no início da noite da terça-feira 17 de março, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) confirmou mais seis novos casos da doença no Paraná (Cianorte, Campo Largo, Curitiba, Pinhais e Londrina), elevando para 12 o número de confirmados no Estado. Todos os confirmados são casos importados, ainda não há registros de transmissão comunitária no Paraná. Consulte o boletim atualizado aqui.

Os novos pacientes de Curitiba são: um homem de 28 anos e uma mulher de 26, que viajaram para São Paulo. O caso confirmado em Campo Largo trata-se de uma mulher de 62 anos que viajou para a Itália. Já em Pinhais, a confirmação refere-se a um homem de 27 anos que esteve em um evento de uma multinacional com um palestrante da Espanha e pessoas de diversos estados do País. A paciente de Cianorte tem 62 anos e esteve nos Emirados Árabes em fevereiro, ela está em isolamento domiciliar depois de ter sido hospitalizada. O quadro clínico é considerado moderado. O exame foi realizado pelo Laboratório Central do Estado (Lacen/PR).

EM LONDRINA – Boletim da Sesa mostra que Londrina tem, até a noite de terça-feira (17), 11 casos suspeitos e sete descartados. E o primeiro caso comprovado é o de uma mulher de 52 anos que esteve na Itália. Os sintomas começaram no dia 6 de março, ainda durante a viagem, quando foi orientada sobre os procedimentos de segurança internacionais. Ela retornou à cidade em 9 de março, acompanhada do marido, ficando em isolamento até o dia seguinte, quando buscou atendimento na iniciativa privada, em que não foi classificada como caso suspeito. Entretanto, os sintomas permaneceram e procurou outro consultório médico, em que foi solicitado o exame para coronavírus em estabelecimento da iniciativa privada.

A suspeita não estava sendo contabilizada pelas secretariais municipal e estadual de Saúde. “O exame de positivo para coronavírus foi feito num laboratório privado e aguardava validação do Lacen (Laboratório Central do Paraná), que é quem coordena essa parte”, esclareceu Felippe Machado, secretário municipal de Saúde. “Atualmente, a paciente está em isolamento domiciliar e com quadro leve, sem sintomas de agravamento. O marido também está na quarentena, que se encerra no fim de semana. O homem fez exame para doença, no entanto, o resultado deu negativo. Segundo Machado, a coleta dos materiais do casal foi feita na residência onde vivem. Desde que retornaram, os dois têm seguido todos os protocolos preconizados pelo Ministério da Saúde, informou.

“Isso facilita muito todo nosso trabalho enquanto saúde pública. Temos a certeza e convicção de que a primeira paciente que testou positivo para coronavírus na cidade seguiu rigorosamente as orientações do Ministério da Saúde e, nesse caso, específico é muito difícil, quase impossível, que tenhamos outro caso positivo advindo desta fonte viral”, destacou Machado. O secretário reconheceu que mais casos na mesma situação da mulher, que não tinha notificação, podem estar acontecendo, entretanto, afirmou que a pasta já entrou em contato com instituições particulares de saúde para que avisem todo teste realizado para a Covid-19. “É muito ruim a pessoa achar que está com coronavírus e buscar laboratório privado para realizar teste.”

Em Londrina, o poder público municipal vai anunciar nesta quarta-feira (18) mais detalhes do decreto que será publicado para conter o avanço da doença. “A prefeitura se antecipou em vários itens e setores para que possamos atender e proteger nossa população de forma adequada. Lançamos medidas que estariam num nível quatro de plano de contingência, quando passamos a ter transmissão comunitária”, elencou.

NOVA METODOLOGIA – Diante do aumento do número de casos suspeitos, e também da necessidade de resultados mais rápidos em razão da alta demanda, a Secretaria de Estado da Saúde já vai adotar a nova metodologia para os resultados, seguindo a orientação do Ministério da Saúde. Não será mais exigida a contraprova pelo Lacen, desde que o laboratório privado que realizou ou realizará o teste seja credenciado. A direção do Lacen esteve na Sesa para alinhar e mudar a dinâmica realizada para validação de confirmação de casos por coronavírus no Paraná.

O protocolo estabelecido anteriormente era de que os exames obrigatoriamente passassem pelos laboratórios de cada estado, mesmo que já realizados por instituições privadas, ou seja, mesmo que um laboratório particular testasse positivo para o COVID19, era necessário o envio de uma amostra do paciente para o Lacen.

“Ressaltamos que essa medida está sendo tomada devido ao aumento de confirmações por parte do Lacen, visando uma resposta rápida a população e principalmente aos familiares do paciente que esperam por um resultado”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. Segundo ele, a mudança deve acontecer de imediato, alinhada com as instituições. “Temos casos já confirmados por laboratórios credenciados. Devemos divulgar essas novas confirmações assim que alinharmos os procedimentos e protocolos que devem ser seguidos juntamente com as instituições” acrescentou.

BOLETIM – A pasta informa que o sistema do Ministério da Saúde utilizado para atualização de casos ficou instável durante todo o dia e excepcionalmente nesta data, não haverá contabilização de dados de casos suspeitos ou descartados. O Ministério da Saúde divulgou nesta tarde 240 suspeitos no Paraná, de forma geral, e 82 descartados. Sem acesso ao sistema, a Sesa não teve como descartar casos, tampouco analisar e indicar em quais municípios estão localizadas as novas suspeitas. A Sesa aguarda a normalidade do sistema para que possa atualizar os dados e divulgar novo boletim, tão logo as informações sejam confirmadas.

CASOS SUSPEITOS – O Ministério da Saúde também alterou o fluxo existente para considerar casos suspeitos. Até o momento, os casos precisavam ser “validados” pela Sesa para que a pasta considerasse suspeito. Agora, todos os casos adicionados no sistema pelas unidades de saúde, atendendo os critérios estabelecidos anteriormente, já entram na rede sendo considerados suspeitos, sem necessidade de uma análise prévia pela secretaria.

Fonte: Com informações da SMS Curitiba, dos portais de notícias Bonde, G1 e Globo News (até às 16hs-17/03); e da SESA, SMS Londrina, Folha de Londrina e Saúde Debate, à partir das 20 horas/1703.

 

 

Share on whatsapp
Compartilhe