Hanseníase: janeiro é mês de conscientização para diagnóstico precoce

Considerada a enfermidade mais antiga da humanidade, a hanseníase tem cura, mas ainda hoje representa um problema de saúde pública no Brasil, país detentor do 2º lugar mundial no número de casos novos diagnosticados anualmente, sendo superado apenas pela Índia. Com tratamento gratuito oferecido pelo SUS, esta doença tropical é infectocontagiosa de evolução crônica. Por isso a OMS e MS, junto com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, dedicam o mês de janeiro às campanhas de conscientização para o tratamento precoce e o enfrentamento desta doença que, quando descoberta e tratada tardiamente, pode trazer deformidades e incapacidades físicas.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, em 2017, 150 países contabilizaram 210.671 novos casos da doença, o que corresponde a 2,8 casos a cada 100 mil habitantes. No Brasil, no mesmo ano, foram detectados 26.875 casos novos, o que expressa 12,9 casos a cada 100 mil habitantes. Entretanto, há uma heterogeneidade dos números nas regiões do país. Os estados do Mato Grosso, Tocantins, Maranhão, Pará, e Piauí são os que apresentam os maiores índices de casos da doença.

A seguir, reportagem da Folha de Londrina – Caderno Saúde 14 de janeiro 2019 – sobre a doença e também as ações educativas para conscientizar a população realizadas pelo Núcleo de Apoio à Saúde da Família – NASF, da secretaria Municipal da Saúde de Londrinacomo parte do movimento nacional Janeiro Roxo.

 – Hanseníase: maioria da população não percebe os sinais
Micaela Orikasa – Reportagem Local

Conversar sobre a hanseníase, explicando as formas de identificação, locais onde buscar ajuda e a importância do tratamento. São por meio de ações educativas que os grupos do Nasf (Núcleo de Apoio à Saúde da Família) da secretaria de Saúde de Londrina esperam chamar a atenção da população. A programação é parte do movimento nacional da campanha Janeiro Roxo. O objetivo é somar esforços para combater a doença, informando sobre o autoexame, importância do diagnóstico precoce e tratamento. Além disso, a conscientização sobre o assunto ajuda a derrubar preconceitos.

A hanseníase é uma doença crônica, infectocontagiosa e de evolução lenta, transmitida por meio das vias aéreas (tosse ou espirro) e não pelo toque na pele. Ela é causada pela bactéria Mycobacterium leprae e na maioria dos casos, a pessoa não percebe a enfermidade porque não sente dor. “Como a hanseníase é uma doença silenciosa e os sintomas começam a aparecer a partir de dois anos após o contágio, é muito importante estar atento aos primeiros sinais – aparecimento de manchas no corpo com diminuição de sensibilidade, além da queda de pelos em regiões delimitadas. Assim é possível o tratamento das lesões, evitando o contágio dos familiares”, explicou a coordenadora de Saúde do Adulto e Idoso da secretaria, Juliana Marques.
A doença tem cura e sua transmissão não é imediata. Somente pacientes com grande quantidade do bacilo, ou seja, que estão em um estágio mais avançado e sem tratamento é que transmitem a hanseníase.

Em Londrina, durante todo o mês, os profissionais de saúde realizarão palestras nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde), além de visitas domiciliares. Caso haja suspeita de contaminação, os moradores da região são orientados a procurar a UBS para avaliação médica e realização de exames. “Sabemos que muitas pessoas acham que a doença não existe ou têm informação errada sobre ela. É importante informar que a hanseníase tem diagnóstico e tratamento”, reforça Marques.
Se confirmada a doença, o paciente e familiares contam com acompanhamento de uma equipe médica para o tratamento, que reduz os danos à pele e nervos e pode levar à cura. A coordenadora de Saúde da Mulher da SMS, Priscila Alexandra Colmiran, lembra também sobre a importância do autoexame. “Se olhe em frente ao espelho e veja se há manchas avermelhadas na pele, com possível perda de pelos, redução de sensibilidade e enrijecimento das articulações, porque a hanseníase tem cura e quanto antes for diagnosticada menores serão as complicações”, ressaltou.

LONDRINA – Em 2018 foram notificados 18 novos casos de hanseníase no município. Para este ano, a secretaria tem como meta diagnosticar 30 novos casos, ampliando o controle da doença e reduzindo a transmissão. Londrina também aderiu à campanha de hanseníase e verminoses nas escolas. A cada ano, cinco unidades da rede municipal recebem a visitas de agentes de saúde que dão palestras para crianças de 6 a 14 anos. Além de tirar dúvidas, elas respondem a um questionário sobre possíveis dores, coceiras ou insensibilidade e fazem um teste de sensibilidade em um desenho do corpo humano. “Percebemos que eles absorvem a informação e levam esse conhecimento para casa. Já houve o relato de uma criança que percebeu uma mancha na pele da avó e o diagnóstico se confirmou”, disse Marques. Sabemos que muitas pessoas acham que a doença não existe ou têm informação errada sobre ela”.

Share on whatsapp
Compartilhe