Médicos nas cadeiras dos pacientes

Profissionais que adoeceram falam sobre suas dores e fragilidades em livro lançado pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Na obra “Quando Fui Paciente” (ed. Guayabo), médicas e médicos que atuam em equipes Saúde da Família trazem, por meio de contos, crônicas e poemas, relatos de suas dores e fragilidades diante de doenças e refletem sobre o que significa adoecer.

É o segundo livro do projeto Causos Clínicos, da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. No primeiro, de 2018, os profissionais relatam histórias de atendimentos de pacientes. Agora, são eles os protagonistas do adoecimento, vivenciando casos de câncer, hepatite, anorexia, depressão, transtorno bipolar, abuso de álcool, febre, convulsões, infecções, lesões de ligamento entre outros problemas.

“Não apenas somos vulneráveis como talvez sejamos até  mais vulneráveis que a maioria das pessoas, exatamente por incorporar o papel social de quem cuida, não de quem é cuidado. É doído sentar na cadeira do paciente. Mas também é transformador”, afirma o médico Rodrigo Lima, coordenador do projeto.

Um dos autores do livro, Rodrigo Lima relata sobre o diagnóstico e tratamento quimioterápico de um câncer de testículo. Discorre sobre a culpa causada pela falsa ideia de que poderia ter descoberto o tumor antes [“Imbecil, vacilão. Devia ter investigado isso…”] e do inconformismo numa internação na UTI [“Qualquer pessoa sabia que eu não deveria estar ali, e eu jamais vou me conformar em ver gente que aplica protocolo sem ter o mínimo de crítica ao processo”].

O coordenador do projeto conta que em alguns textos, em que houve muita exposição, contatou os autores para checar se era aquilo mesmo que eles desejavam. “Ninguém voltou a trás.”  Ele mesmo só conseguiu entregar o relato no final do prazo. “E olha que o problema que eu tive, o câncer, envolve menos estigma, não se trata de uma questão de saúde mental. Há histórias fortíssimas. O pessoal escreveu na veia.”

Informações sobre e para aquisição do livro “Quando Fui Paciente” pelo  e-mail causosclinicos@sbmfc.org.br .

Fonte: Reprodução de parte de reportagem da Folhapress, de autoria da jornalista Claudia Collucci

Share on whatsapp
Compartilhe