Vacinas: de decisão pessoal a saúde pública

Em Editorial de 21 de setembro de 2019, a Folha de Londrina se posiciona e alerta: Quem não se vacina coloca em risco não apenas a sua saúde, como a de familiares, amigos e pessoas com quem tem contato. Além disso, contribui para aumentar a circulação de doenças. A opinião do jornal é embasada em dados do Programa Nacional de Imunizações que revelam que a taxa de cobertura vacinal no Brasil caiu de 95% em 2015 para 71% em 2018, e que, em razão disso, muitas doenças erradicadas ou desaparecidas por longo período reapareceram, como é o caso do sarampo.

Folha de Londrina

Vacinas: de decisão pessoal a saúde pública

“Os perigos de um mundo sem vacina podem ser vistos em vários livros e filmes que mostram histórias de um passado nem tão distante. No início do século passado não havia imunização para muitas doenças e era grande o número de crianças que morriam antes de completar cinco anos de idade. Eram cruéis as consequências de enfermidades que hoje estão extintas ou ficaram desaparecidas por um período. É o caso do sarampo,  que desde o ano passado voltou a assombrar e este ano causou a morte de quatro pessoas no País.  Em reportagem deste fim de semana, a FOLHA mostra que à medida em que o índice de vacinação caiu no Brasil, reapareceram e se multiplicaram os casos de sarampo.

De acordo com o os dados do Programa Nacional de Imunizações, a taxa de cobertura vacinal no Brasil caiu de 95% em 2015 para 71% em 2018. No Paraná, a Tríplice Viral, que imuniza contra caxumba, rubéola e sarampo é a que menos alcança a meta determinada pelo governo (95%). Segundo estatísticas da Secretaria Estadual de Saúde, desde 2012, quando chegou à média de 99% entre as regionais, a vacina nunca mais alcançou a meta, caindo para 85% em 2017.

Com a atualização realizada nesta semana pelo Ministério da Saúde, o Brasil apresentou quase quatro mil casos de sarampo nos últimos 90 dias, sendo a maioria no Estado de São Paulo.

Com vários países em alerta, o surto não se mostra uma particularidade nacional, mas a redução na taxa de vacinação coloca a Saúde em preocupação. Comparando a cobertura vacinal de 2012 com a de 2017, há quedas relevantes até para as vacinas que sempre tiveram alta taxa de cobertura, como a BCG.

Quem não se vacina coloca em risco não apenas a sua saúde, como a de familiares, amigos e pessoas com quem tem contato. Além disso, contribui para aumentar a circulação de doenças. Há muitos fatores que influenciaram para que o índice de vacinação despencasse. No mundo existe uma onda antivacina que pode não ter conseguido grande expressão no Brasil, mas é claro que ajudou a construir esse cenário.

Na opinião de um dos entrevistados pela FOLHA, o  médico e professor José Cássio de Moraes, da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, fatores sociais, culturais e econômicos podem estar envolvidos na queda da imunização da população brasileira. Ele cita como exemplo o período de funcionamento das unidades de saúde (horário comercial) que acaba dificultando o acesso a famílias.

Em se tratando de vacinação, é importante saber que a decisão de um pai ou mãe afeta a vida do filho e de muitas outras pessoas. Não se trata apenas de uma escolha pessoal. No caso do sarampo, já virou questão de saúde pública.”

Share on whatsapp
Compartilhe